Organize a sua viagem à sua medida à
Bélgica com uma agência local !


Descreva-nos o seu projecto de viagem: os seus desejos e as suas necessidades

Enviamos o seu pedido para as agências locais

Receber até 4 orçamentos personalizados gratuitos

Escolha a agência local que mais lhe convém

Porquê partir à Bélgica ?

A Bélgica deu um importante contributo para a evolução da arte mundial, e continua a fazê-lo. No cruzamento de diferentes culturas, o país tem estado na encruzilhada da maioria das grandes correntes artísticas europeias, mas a Bélgica também tem inovado. Em várias ocasiões, o país tem estado na vanguarda da cena artística europeia, e artistas como Van Eyck, Bruegel, Rubens, Jordaens, Memling ou Magritte são reconhecidos por todos como mestres. Ficará impressionado com a recorrência do Art Nouveau nascido na Bélgica no final do século XIX, que se expressa em Bruxelas, nomeadamente em torno da Maison Horta e do Art Deco, do qual Victor Horta se inspirou no início do século XX para o desenho do Palais des Beaux-Arts em Bruxelas. A Câmara Municipal de Charleroi é também uma referência em termos de Art Deco. Os museus belgas estão cheios de tesouros da arte primitiva flamenga, da Renascença, da Contra-Reforma ou do Surrealismo, mas também da arte contemporânea e do modernismo.


Descarregar um extracto gratuito do Guia Petit Futé

Preparação para a sua viagem à Bélgica

Banda desenhada: Na Bélgica, a banda desenhada tem bolhas. As bandas desenhadas francófonas mais famosas vêm de lá. Alguns nomes evocativos: Hergé (Tintin), Editions Casterman, Jean Dupuis, Spirou, Boule et Bill, e mais recentemente Philippe Geluck (Le Chat). Todos têm por templo o prato paga . A capital belga alberga o Centro de Banda Desenhada belga, bem como numerosos murais que retratam heróis de banda desenhada, tendo sido inaugurado um museu Hergé em Louvain-la-Neuve. Finalmente, com cerca de 700 autores de banda desenhada, a Bélgica é sem dúvida o país com mais caricaturistas por quilómetro quadrado.

A capital da Europa

Pela sua posição central na Europa, Bruxelas demonstra que o futuro da União passa pela Bélgica, e a localização de muitas administrações da União Europeia no local é testemunho disso mesmo. Enquanto cidade internacional, está no coração de um país aberto com a reputação de preferir o consenso ao confronto (embora esta tendência pareça ser cada vez mais invertida quando se trata de questões comunitárias). É a verdadeira força motriz e a espinha dorsal da União, que acolhe o Conselho da União Europeia, a Comissão Europeia, as comissões e algumas sessões plenárias do Parlamento Europeu, do Comité Económico e Social e do Comité das Regiões.? Bem-vindo ao coração da Europa!

A terra da cerveja

Como se pode falar da Bélgica sem mencionar as suas centenas de cervejas? As cervejas são o orgulho do país e embaixadores da cultura belga e fazem parte integrante da paisagem do reino, com as suas muitas cervejarias artesanais, trapistas e outras abadias. Uma bebida nacional, a cerveja pode ser bebida em qualquer ocasião: durante uma refeição, num café, num restaurante, sozinha ou com os amigos. Para além dos grandes nomes das cervejas lager como Jupiler, Maes ou Stella Artois, cada região produz localmente cervejas específicas. As rotas da cerveja estão sinalizadas em certas zonas, como a que parte de Dinant, onde o forte gosto dos belgas por esta bebida se explica, em primeiro lugar, pelo clima temperado favorável ao cultivo dos cereais, mas também por um ambiente microbiológico que favorece a presença de leveduras selvagens no ar de certas regiões. Estas leveduras permitem produzir cervejas com fermentação espontânea (tais como Lambic, Gueuze ou Kriek), um processo único no mundo. As cervejas trapistas também são famosas na Bélgica, cervejas fabricadas por monges em abadias. Existem 10 cervejas trapistas no mundo, e 6 delas são belgas.

Boa alimentação

Enquanto as couves-de-bruxelas nem sempre são populares no estrangeiro, o chocolate belga, por outro lado, é mais popular. Desde que a confeitaria belga inventou a pralina em 1912, o chocolate é oferecido numa embalagem concebida e patenteada para preservar todo o seu sabor: o ballotin (que, já em 1915, substituiu o corneto, o que não era muito prático porque os doces colocados no interior eram facilmente esmagados). Mas a gastronomia belga é também haute cuisine : uma viagem à Bélgica será, portanto, também uma oportunidade para provar chicória, babeluttes, flamingos, waterzooi e outros caricolos.

NULL