fr en es it nl de

em breve

Скоро сайт будет доступен на русском языке. Strona będzie wkrótce dostępna w języku polskim. 该网站即将推出中文版

América Central e Caraíbas

América do Norte

América do Sul

Europa

França

Oceania

Próximo e Médio Oriente

África

Ásia

Organize a sua viagem à sua medida Burundi com uma agência local !

Desejo partir em
Quem está a viajar?

Receber gratuitamente e sem compromisso propostas personalizadas em apenas alguns cliques

  • Descreva-nos o seu projecto de viagem: os seus desejos e as suas necessidades
  • Enviamos o seu pedido para as agências locais
  • Receber até 4 orçamentos personalizados gratuitos
  • Escolha a agência local que mais lhe convém

Deixar em Burundi

#natureza intacta Embora a sua dimensão faça do Burundi um dos Estados mais pequenos de África, a sua natureza generosa e o seu património biológico fazem dele um dos territórios mais diversificados do continente. Em poucos quilómetros, podemos ver várias África: a da savana, frequentemente associada à seca (depressão do Kumoso); a da humidade em altitude que experimentamos nos picos do Kibira, onde se mantém uma floresta primária; ou a das colinas verdes do centro do país, cobertas de bananeiras e plantas ligadas à encosta por quem sabe quais as raízes magicamente poderosas. Desde Mugamba, onde o nome 'Suíça Africana' assume todo o seu significado, até Bugesera, onde os lagos acalmam os olhos, até aos relevos dos Buyenzi cobertos pelo verde escuro das árvores de café, atravessamos diferentes solos e ecossistemas. É certo que, nestes ambientes moldados durante séculos pelo homem, o animal já não tem o lugar que tem mantido em países vizinhos como a Tanzânia ou o Quénia. Aqui não há leões, elefantes ou girafas, apenas crocodilos e hipopótamos a partilhar as águas, alguns búfalos e macacos a habitar as cadeias montanhosas da cordilheira do Congo-Nilo. Mas há muitas bolsas de conservação da biodiversidade, e o curioso viajante encontrará alguns prazeres especiais: O Burundi é um paraíso para ornitólogos, amantes de borboletas, peixes e répteis exóticos, sendo uma reserva floral única na região, com uma considerável variedade de orquídeas, muitas vezes endémicas, como o são também as palmeiras Rusizi.
Se a sua superfície faz do Burundi um dos mais pequenos Estados de África, a sua natureza generosa e o seu património biológico colocam-no entre os mais variados territórios do continente. Em poucos quilómetros, é possível apreender várias Africas: a da savana frequentemente associada à seca (a depressão do Kumoso); a da humidade a grande altitude experimentada nos picos do Kibira, onde se mantém a floresta primária; ou a das colinas verdes do centro do país, cobertas de bananeiras e plantas agarradas à encosta por algumas raízes magicamente poderosas. As paisagens oferecem frequentemente vistas simples, por vezes são grandiosas. Desde Mugamba, onde o nome Suíça Africana assume todo o seu significado, até Bugesera onde os lagos acalmam os olhos, passando pelos relevos Buyenzi cobertos pelo verde escuro dos pés de café, atravessamos diferentes terroirs e ecossistemas. É verdade que, nestes ambientes, que foram moldados pelo homem durante séculos, o animal já não tem o lugar que manteve nos países vizinhos, como a Tanzânia ou o Quénia. Aqui não há leões, elefantes ou girafas, apenas crocodilos e hipopótamos que partilham as águas, alguns búfalos e macacos que habitam os maciços montanhosos da cordilheira do Congo-Nilo. Mas as bolsas de manutenção da biodiversidade são numerosas e o curioso viajante encontrará alguns prazeres especiais: o Burundi é um paraíso para ornitólogos, amantes de borboletas, peixes e répteis exóticos, e é uma reserva floral sem equivalente na região, com uma considerável variedade de orquídeas, muitas vezes endémicas, tal como as palmeiras dos Rusizi.

População, o principal atractivo do país

A melhor razão para visitar o Burundi, para além da originalidade do destino, é a perspectiva de conhecer a sua população. A primeira riqueza do país é esta. Bem-vindos e sociáveis, os burundianos estão abertos aos visitantes. Nos rostos intrigados pela inesperada presença estrangeira estão, na maioria das vezes, amplos sorrisos que são tantos convites para discutir e se familiarizar com a cultura local. Aqui pode ser reservado, mas a discrição não implica necessariamente timidez: quem fala francês ou suaíli entrará facilmente em conversa com um estrangeiro, quem fala apenas Kirundi será compreendido na língua da hospitalidade, com gestos apropriados. Apesar dos repetidos conflitos desde a independência em 1962, que feriram indivíduos, famílias e sociedade, e apesar da pobreza e da miséria que afecta a maioria dos burundianos, eles demonstram, na verdade, um optimismo e uma coragem exemplares. Isto também merece ser descoberto. A guerra civil fechou as portas do país ao turismo, e os únicos estrangeiros a visitar o país foram, na sua maioria, membros de organizações internacionais. Em consequência, o visitante é ainda frequentemente recebido com curiosidade ou descrença, especialmente nos casos em que não existe um programa de ajuda externa. A simples presença de um estrangeiro numa estrada ou a degustação de espetos num cabaré cria uma multidão espontânea. A ajuda e a espontaneidade são prodigalizadas tanto para o visitante de uma hora de duração como para o visitante que permanece. Isto contrasta fortemente com um certo individualismo ocidental. E também isso vale a pena experimentar!

Um património cultural considerável

A população do Burundi é constituída por três componentes principais: Hutu, Tutsi e Twa. Ao contrário de outras partes de África, estes grupos étnicos (amoko) não forjaram culturas separadas. Aqui, uma língua comum (Kirundi) e práticas sociais formaram ao longo do tempo uma cultura partilhada por toda a população, unida num território unificado desde o século XVIII. Embora os vestígios físicos do passado, antigos e monárquicos, sejam raros nesta civilização das plantas e do discurso, o património cultural e histórico do país é de considerável riqueza. Quem ouve as histórias que circulam sobre o Burundi no passado e se interessa pelos lugares da memória do passado (aqui, árvores da memória) e pelos testemunhos da vida de hoje, descobrirá um universo cultural único que, a princípio, é desconcertante. É sem dúvida difícil aceder a este universo em poucos dias, sem conhecer o Kirundi, cujas subtilezas são outra manifestação da complexidade burundiana. Mas é possível vislumbrar o seu significado, provando os prazeres da vida diária e observando os códigos da sociedade, maravilhando-se com as proezas e travessuras dos bateristas ou visitando os poucos museus e atracções do país.

Um clima ameno

Quer se tenha frio ou medo da intensidade do calor tropical, todos poderão apreciar a suavidade do clima burundiano. Aqui não há calor excessivo, excepto por vezes nas planícies baixas ou em Bujumbura, onde o sol pode bater forte na estação seca, e o frio típico das noites em altitude não requer um guarda-roupa de Inverno. A diferença entre as estações é marcada por diferenças significativas de temperatura, mas é na verdade a chuva que é o principal factor determinante das alterações climáticas. A precipitação pode ser intensa na estação das chuvas, mas é de curta duração (muitas vezes ao fim da tarde) e o sol toma rapidamente conta de tudo: tudo seca rapidamente, o asfalto nas estradas e a roupa ensopada pelos chuveiros. Tenha cuidado com a constipação (vamos dizer-lhe qual é a gripe, mas consulte um médico se ela durar)!

Um baixo custo de vida

O Burundi continua a ser um destino barato, à excepção do bilhete de avião, mas a motivação para uma viagem barata não pode permanecer por si só. Com efeito, o nível de rendimento é baixo e o custo de vida exorbitante para os mais pobres, que muitas vezes lutam pela sobrevivência. Tudo isto contrasta fortemente com o conforto financeiro, por muito modesto que seja, que a maioria dos visitantes estrangeiros, especialmente do Ocidente, desfruta. Poucos estrangeiros escapam aos casos de consciência que decorrem desta profunda desigualdade económica.


Porquê recorrer a uma agência local?

  • Cada agente local vive no local e é um perito no destino.
  • A sua estadia será 100% feita à sua medida e adaptada a todos os seus desejos.
  • O seu agente local estará sempre disponível para garantir que a sua viagem esteja de acordo com as suas expectativas.
  • Beneficie dos melhores preços, estando directamente em contacto com o organizador no local.

Os meios de comunicação social estão a falar sobre o assunto