fr en es it nl de

em breve

Скоро сайт будет доступен на русском языке. Strona będzie wkrótce dostępna w języku polskim. 该网站即将推出中文版

América Central e Caraíbas

América do Norte

América do Sul

Europa

França

Oceania

Próximo e Médio Oriente

África

Ásia

Organize a sua viagem à sua medida Suíça com uma agência local !

Desejo partir em
Quem está a viajar?

Ideias de viagem Suíça

Receber gratuitamente e sem compromisso propostas personalizadas em apenas alguns cliques

  • Descreva-nos o seu projecto de viagem: os seus desejos e as suas necessidades
  • Enviamos o seu pedido para as agências locais
  • Receber até 4 orçamentos personalizados gratuitos
  • Escolha a agência local que mais lhe convém

Deixar em Suíça

#Diversidade da Natureza Os Alpes suíços, a verdadeira torre de água da Europa, dominam a rede hidrográfica da Europa Central. Muitos rios têm aí a sua nascente, incluindo, naturalmente, o Reno, o Ródano, mas também o Aare, o Ticino ou o Inn. A maioria deles atravessa um ou mais lagos do território, que regulam os seus cursos e assentam as suas águas, livrando-os de muitas impurezas arrancadas das montanhas. Os Alpes, o Planalto, uma vasta planície montanhosa e, a noroeste, o Jura, largamente arborizado, dividem o território suíço e oferecem uma multiplicidade de paisagens. Os factores climáticos, influenciados pelo relevo, mas também pelo homem, que gradualmente moldou a paisagem ao longo das gerações e dos vários modos de exploração, favoreceram a identidade marcada entre a bacia mediterrânica e a Europa Central. Duas regiões destacam-se pela sua diversidade biológica particular: o vale do Ródano, no coração dos Alpes, cujo clima árido e quente criou ambientes ricos em biodiversidade, e o Ticino, a sul dos Alpes, que acolhe uma procissão de espécies típicas das regiões influenciadas pelo clima sub-mediterrânico (insubriano).
Os Alpes suíços são a torre de água da Europa, dominando a rede de água da Europa Central. Muitos rios são originários daqui, incluindo o Reno, o Ródano, o Aare, o Ticino e o Inn. A maioria destes rios corre através de um ou mais lagos, que regulam o seu curso e assentam as suas águas, removendo as muitas impurezas que foram arrastadas para longe das montanhas. Os Alpes, o Planalto, uma vasta planície montanhosa e, a noroeste, o Jura, que é em grande parte arborizado, dividem o território suíço e oferecem uma multiplicidade de paisagens. Os factores climáticos, influenciados pelo relevo, mas também pelo homem, que moldou gradualmente a paisagem ao longo das gerações e através de vários modos de exploração, favoreceram as identidades marcadas entre a bacia mediterrânica e a Europa Central. Duas regiões destacam-se pela sua diversidade biológica particular: o Vale do Ródano, no coração dos Alpes, cujo clima árido e quente criou ambientes ricos em biodiversidade, e o Ticino, a sul dos Alpes, que abriga uma série de espécies típicas de regiões influenciadas pelo clima sub-mediterrânico (insubriano).

Uma cozinha sob a influência

A Suíça está situada numa verdadeira encruzilhada gastronómica. Fazendo fronteira com a França, Itália, Alemanha e Áustria, beneficia das melhores tradições culinárias para alimentar a sua gastronomia. No Ticino, como no resto do país, pode apreciar a verdadeira cozinha italiana, perfumada e delicada; em qualquer lugar pode sentar-se e apreciar um prato revigorante de montanha ou pratos mais delicados, directamente influenciados pela cozinha austríaca, como o famoso schnitzel (escalope vienense). Por último, é de notar que este país atrai muitos chefes de cozinha estrelados, frequentemente franceses.

Uma história rica e cheia de acontecimentos

Com 26 cantões, quatro línguas nacionais e numerosos dialectos, a Confederação Suíça tem uma história rica e muitas vezes turbulenta, dividida entre os seus vizinhos poderosos e aspirações contraditórias. Quando pensamos em Genebra, a capital da Reforma e a sede de numerosas organizações internacionais, traz-nos à memória um grande passado. No entanto, este legado é também moldado pelos conflitos, por vezes violentos, do período da Reforma, que levaram à paralisia política durante três séculos, o que explica a neutralidade consagrada em 1647 pela Defensional de Wil. Depois de se ter tornado uma República Helvética única e indivisível, concebida sob as ordens da França revolucionária e utilizada como campo de batalha entre os exércitos franceses e a coligação austro-russa, a Suíça teve a sua independência, neutralidade e inviolabilidade do seu território reconhecidas em 1815 pelo Tratado de Viena. No entanto, a política interna voltou a revelar-se impossível e, após uma breve guerra civil, os cantões adoptaram, em 12 de Setembro de 1848, a Lei Básica da Confederação Suíça, que os colocou no caminho do verdadeiro federalismo, dando origem à actual estrutura política da Suíça. Para além da criação do Comité Internacional da Cruz Vermelha em 1863 e da assinatura da Convenção de Genebra em 1864, o país conheceu um enorme desenvolvimento económico. A construção de uma rede ferroviária particularmente densa e o desenvolvimento do potencial hidroeléctrico permitiram o desenvolvimento da indústria e do comércio, em torno de pólos como a relojoaria, as máquinas-ferramentas e a química. As histórias da diplomacia, da tecnologia e da religião encontram-se nesta encruzilhada da Europa.

Um espantoso património cultural

Na Suíça, abundam os mais diversos nomes e referências culturais. Existem inúmeras obras de arte, fundações e outros bons museus locais. A Suíça foi e continua a ser uma terra de hospitalidade; a qualidade de vida que oferece parece favorecer os belos pensamentos e os esforços artísticos ou políticos de nota. Sem seguir a ordem cronológica, eis uma antologia de personalidades que atestam a diversidade cultural, histórica e artística da Suíça: Charlie Chaplin perto de Vevey, Erasmus em Basileia, John Calvin fazendo de Genebra o centro da Reforma, Hermann Hesse estabelecendo-se em Montagnola perto do Lago Lugano em Ticino, Paul Klee em Berna. Mas também Georges Simenon, Elias Canetti, Madame de Stael, Blaise Cendrars, Jean-Jacques Rousseau, Albert Cohen, James Joyce, Thomas Mann, Vladimir Nabokov, Hortense de Beauharnais e o futuro Napoleão III, Albert Einstein, que viveu em Berna de 1902 a 1909 quando escreveu as suas famosas equações sobre a relatividade, e Vladimir Ilyich Ulyanov (Lenine)... : A Suíça tem um substrato cultural surpreendente!

Onze Sítios Património Mundial da UNESCO

Na Suíça, onze sítios estão classificados como Património Mundial da UNESCO. Trata-se de um feito único numa área tão pequena. Estes sítios culturais e naturais protegidos são pedras preciosas que devem ser vistas. A antiga cidade de Berna. Fundada em 1191, a capital da Suíça é hoje reconhecida como uma das cidades medievais mais bem conservadas da Europa. O Convento Beneditino de São João em Mustair. A peça central é a igreja conventual, construída há cerca de 800 anos. Abriga o ciclo mais extenso de frescos carolíngios ainda intactos. St. Gallen. A propriedade do mosteiro com a sua admirável catedral barroca é Património Mundial da UNESCO desde 1983. A biblioteca mundialmente famosa é provavelmente a mais bela sala barroca secular da Suíça. Na cidade antiga existem casas burguesas dos séculos XVI a XVIII com magníficos corbéis, muitas vezes ricamente esculpidos e pintados. Três castelos medievais, muralhas e muralhas na aldeia de Bellinzona. La Chaux-de-Fonds - Le Locle, cujo planeamento urbanístico é ordenado pela actividade relojoeira. A região de Jungfrau-Aletsch-Bietschhorn. Estendendo-se ao longo de 23 km, o glaciar Aletsch é o rio de gelo mais longo dos Alpes e tem um carácter único. Situado nas proximidades de Lugano, Ticino, Monte San Giorgio é também Património Mundial da UNESCO pelo valor excepcional e universal das suas camadas fossilíferas, que têm entre 230 e 245 milhões de anos. Lavaux, uma vinha em socalco que se estende ao longo de cerca de 30 km ao longo do Lago de Genebra, desde os arredores de Lausanne até ao Château de Chillon, a sul de Montreux. Sardona, um bastião tectónico suíço. O Caminho de Ferro Rhaetian na paisagem de Albula e Bernina reúne duas linhas ferroviárias históricas que atravessam os Alpes suíços em duas passagens. Todos os sítios palafáticos pré-históricos em torno dos Alpes, um sítio transfronteiriço partilhado com a Alemanha, Áustria, França, Itália e Eslovénia. O último site a ser classificado, em 2011.



Porquê recorrer a uma agência local?

  • Cada agente local vive no local e é um perito no destino.
  • A sua estadia será 100% feita à sua medida e adaptada a todos os seus desejos.
  • O seu agente local estará sempre disponível para garantir que a sua viagem esteja de acordo com as suas expectativas.
  • Beneficie dos melhores preços, estando directamente em contacto com o organizador no local.

Os meios de comunicação social estão a falar sobre o assunto